segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Ateus... Hoje em dia dá pra se chamar de Atoas.

Entrei numa daquelas discussões idiotas sobre religião, nesse fim de semana. Todo mundo sabe que esse tipo de discussão não tem vencedor, os dois lados ficam emburrados, e as vezes com cara de "mostrei a eles". Mas é uma sensação muito momentânea, e só.

Mas o que eu quero falar aqui é sobre a repetição dos argumentos por partes dos "descrentes". É tudo repetitivo, manjado, e até tedioso.
Sempre vem com um "a teoria da evolução mostra que vocês estão errados", "a bíblia fala que existiam gigantes na terra", e por ai vai. É só o cara ser um bom debatedor, que acaba com esses argumentos em 5 minutos.

O que me faz chamar esse povo de atoa é que ninguém falou de L. Feuerbach, A. Comte, F. Nietzsche, S. Freud, J.P. Sartre, e por ai vai. Só ficaram no que lêem na Super interessante, e só.....
Essa nova geração de ateus é uma geração mais burra e mais dominada pela mídia que já existiu. se é ateu porque é bonito, porque a revista falou, porque o jornal falou que os pastores roubam o povo. Não são ateus porque leram os grandes pensadores, porque fizeram estudos, porque depois desses longos estudos, chegaram a conclusão que Deus não existe. Se tornaram ateus porque sim.

Se existe muito crente burro, ateu burro é que não falta.

5 comentários:

cotidianonacional disse...

Meu caro Anderson. Cumprindo a promessa de visitá-lo nesse novo projeto não pensei que fosse discordar de um de seus textos :P.

Mas pra fazer o papel de bom moço, vou começar concordando com vc sobre o fato de pessoas serem fortemente influenciada pela mídia (leia TV, porque eles mal tem capacidade pra ler alguma coisa qualquer que seja). Portanto, concordo com vc quando chama-os de "atoas". Mal sabem dizer sobre o que estão falando.

No entanto, o argumento religioso é fraco demais. Principalmente por aqueles que vc considera "crentes burros". Eles sempre jogam a responsabilidade para a fé. Não conseguem dizer mais nada além por total falta de conhecimento.

Falo com segurança pois fui por 2 anos e meio estudioso da Bíblia.

Mas não posso deixar de sentenciar o que eu penso: passamos praticamente a vida toda tentando provar que somos capazes disso, ou que somos capazes daquilo, ou que somos inocentes, etc, etc, etc. No caso religioso não deveria ser diferente. E, por analogia, sentencio:

Cabe aos religiosos provarem que Deus existe, não o contrário!

Abraços e sucesso no blog.

malcan disse...

Concordo contigo, Alexandre. mas o que quero dizer é que ninguém estuda mais sua causa. Assim como ser religioso, o ateísmo não pode ser decidido apenas por uma vontade própria. E sim, com estudo, reflexão. Entende? è ai que a filosofia entra. mas hoje em dia ninguém lê mais as obras dos grandes filósofos. E isso que me deixa puto da vida. Levam a vida baseado em achismos.

Vulnavia Phibes disse...

ser ateu é questão de comodidade. que nem quem se diz "católico não-praticante".

José Carlos Kayser disse...

HOMENS DE MUITA FÉ! Tá aí a pegadinha dos evangélicos. Quando digo que sou católico, eles logo perguntam: é praticante? E eu respondo, sim sou, pratico o amor de CRISTO! Aliás, moro em frente a uma destas igrejas, melhor dito, templos e o pastor cospe fogo no ar. Mas tem um dia da semana que há uma gritaria: sai demônio, sai demônio. Ué, como foi que ele entrou lá? Leiam meu artigo "conta conjunta" no meu blog.

albert guedes disse...

Tem razão quanto ao crente ser fraco em argumento.

Provar a Deus requer experiência com ele, e não dialética.

Sem essa experiência, Deus é tão real quanto o Dom Casmurro - muito se lê e se escreve sobre ele, mas ninguém o vê.

Mas também se você nunca tentou falar com Deus nem pra tirar a prova e ainda assim bate o pé no chão afirmando que ele não existe, seus argumentos são tão legítimos quanto o de qualquer religioso.

O único filosofo que conheço que descreveu uma tentativa de encontrar a Deus e não conseguiu, e por isso virou ateu foi Bertrand Russel.
Dele fica fácil aceitar o porque ele é ateu, mas de resto, não vi esse empenho.

Pode "achar" que Deus não exista, mas como queer ter razão se não tem sequer uma metodologia pra refutar que não por dialética ?

Oras, posso fazer dialética religiosa por infindáveis horas também pra manter a minha posição - dae empate inevitável dos dois lados.

Por isso mesmo não quero convencer ninguém a acreditar que Deus exista só por "argumentos", pois assim como na ciência, nenhuma teoria é válida sem experimentos, a fé não fica em pé sem ter uma experiência real com Deus.

A minha experiência já tive, por isso digo que Deus existe , e para os ateus digo que é uma possibilidade baseado em experiência própria, e somente a ele cabe mostrar a cada um a seu modo.

PS: sou evangélico e praticante - o que acho besteira essas taxações, ou você segue a Cristo ou não segue, ponto.